Truticultura: cultivo de Trutas pode ser extremamente rentável

As trutas atingem o peso ideal para o abate com pouco tempo de criação

Truta - imagem ilustrativa

Com o mercado aquecido e alta nas exportações de pescado, a piscicultura vive um excelente momento em nosso país, com mais de 750 mil toneladas de peixes produzidas anualmente e com taxa de crescimento próxima a 5%. Tudo isso mantém a atividade como uma das principais no cenário nacional e importante para a economia.

Giovanni Resende de Oliveira, professor do Curso CPT Criação de Peixes – Como Implantar uma Piscicultura, destaca que, além da tilápia, que é a principal espécie criada no Brasil, há várias outras espécies que podem – e devem! – ser criadas com objetivo comercial, oportunizando a diversificação da produção nacional e garantindo lucros aos piscicultores.

A truticultura no Brasil

Recebe o nome de “truticultura” a criação de trutas, espécie de peixe conhecida nacionalmente e que têm se destacado positivamente na piscicultura brasileira. A truta é caracterizada por possuir uma carne saborosa e com baixo teor de gordura e pelo manejo simplificado durante o seu cultivo.

Há diversas variedades de trutas, como a truta arco-íris, que se adapta a águas com temperaturas mais frias e que já é cultivada em vários estados pelo Brasil, com destaque para o estado de Santa Catarina, que, sozinho, é responsável por quase metade de toda a produção nacional.

Por atingirem o peso ideal para o abate mais rapidamente – geralmente, atingem 300g em 10 meses –, são uma espécie extremamente rentável e que chama a atenção de diversos piscicultores.

Características da truticultura

- Reprodução

Em ambiente natural, os peixes costumam subir a correnteza para se reproduzirem, em águas com temperaturas abaixo de 12°C. Logo, para que a reprodução ocorra, quando criadas em cativeiros, é essencial que se reproduza esse ambiente natural, além de garantir que as trutas estejam recebendo nutrição adequada. Caso o contrário, será necessário realizar uma intervenção artificial, isto é, uma massagem no abdômen dos peixes para que eles desovem e “expulsem” os óvulos, o que demandará ainda mais atenção dos piscicultores em relação ao manejo.

- Fertilização das trutas

Seguindo o exposto, em ambiente artificial, a fertilização não ocorrerá de forma natural. Logo, o piscicultor deve ser o responsável por ela, recolhendo os óvulos e o sêmen para que se realize a incubação e posterior alevinagem. Tudo isso sem negligenciar a qualidade da água, o manejo e os cuidados corretos.

- Adequação

Controlar a vazão de água nos tanques é crucial para garantir boa quantidade de oxigênio aos peixes criados, uma vez que peixes menores precisam de mais oxigênio. Nessa esteira, uma vazão elevada proporciona melhor renovação da água regularmente, fornecendo o oxigênio “ideal” para as trutas.

Vantagens da criação de trutas

A criação artificial de trutas, ou seja, aquela realizada em tanques apresenta como principais vantagens alta na produtividade e redução na mortalidade dos peixes, acarretando conservação das características naturais e da qualidade dos peixes. A água exigida pela espécie deve ser cristalina e livre de química.

Outra vantagem, que proporciona redução nos custos da criação, está relacionada à alimentação, que é facilitada para as trutas em relação a outras espécies, ocasionando aumento nos lucros do piscicultor.

 


Conheça os Cursos CPT da Área Criação de Peixes:

Criação de Peixes – Como Implantar uma Piscicultura
Nutrição e Alimentação de Peixes
Produção de Alevinos

Fonte: Blog Sansuy – blog.sansuy.com.br
por Renato Rodrigues

Renato Rodrigues 08-02-2021

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.