Silagem para peixes? Sim, entenda!

Produto de tecnologia simples, a silagem requer baixo capital e apresenta digestibilidade proteica elevada

Silagem para peixes? Sim, entenda!

Uma alternativa viável para a região Nordeste é o aproveitamento das perdas das despescas para elaboração da silagem, forma mais econômica de aproveitamento, podendo ser obtida de maneira artesanal nas áreas de abrangências dos açudes, fazendeiros e até industrialmente, nos maiores centros urbanos.

Esse produto é obtido da autólise ácida da proteína do pescado numa forma pastosa quase líquida que pode ser incorporada a rações como fonte de proteína, sendo também de suma importância na utilização para formulação de rações destinadas aos animais domésticos.

As vantagens da produção de silagem, em vez de farinha de pescado, são as seguintes:


♦ O processo é virtualmente independente de escala;
♦ A tecnologia é simples;
♦ O capital necessário é pequeno, mesmo para produção em larga escala;
♦ Os efluentes e problemas com odores ou poluição ambiental são reduzidos;
♦ A produção é independente do clima;
♦ O processo da silagem é rápido em climas tropicais; e
♦ O produto pode ser utilizado no local.

O valor nutricional da silagem de pescado está na digestibilidade proteica elevada, devido ao fato de a proteína já estar bastante hidrolisada e da presença de lísina e triptofano entre outros aminoácidos essenciais.

Após a bioconversão, o produto é uma fonte de proteínas autolisadas de alta qualidade, podendo ser usado na alimentação animal e na elaboração de novos alimentos.

 

Gostou da matéria? Quer saber mais sobre o Curso CPT? Assista ao vídeo abaixo:


 

Conheça os Cursos CPT da Área Piscicultura

Por Daniela Guimarães.

Daniela Aparecida Guimarães Lopes 08-03-2023

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.