Nova espécie de peixe em alta: o lambari rosa

Espécie chama a atenção pela sua coloração, sendo muito utilizada como isca na pesca esportiva

Peixes - imagem meramente ilustrativa

Por a piscicultura ser uma atividade expressiva em nosso país, muitos piscicultores encontram uma variedade extensa de espécies para poder criar e comercializar. Fato é que a Tilápia domina o setor no Brasil, mas também é fato que outras espécies têm se destacado no mercado e crescido em número de produção.

Elisabete Viegas e Maria Luiza Rodrigues, professoras do Curso a Distância CPT Técnicas de Processamento de Peixes, explicam que dentre as variadas espécies, é preciso definir qual criar, levando em conta não só o manejo e os custos, como também as demandas do mercado consumidor.

Dentre as espécies que têm conquistado seu espaço no mercado da piscicultura do Brasil, destaca-se o lambari rosa, peixe que possui maior taxa de ganho de peso, melhor conversão alimentar e crescimento mais acelerado em comparação com o lambari de rabo amarelo. Ainda, a espécie possui grande demanda também como isca viva, devido à sua coloração cor-de-rosa.

Essa espécie tem sido estudada por alguns institutos de pesca também com a finalidade de potencializar sua cor. A pesca esportiva tem sido uma das maiores compradoras da espécie justamente pelo fato de a cor rosa chamar mais atenção do que a tradicional. Por exemplo, peixes como o tucunaré e corvina, conseguem avistar o lambari rosa de longe por causa da “nova” tonalidade.

Estima-se que esse mercado consumidor pague aproximadamente R$160,00 pelo milheiro de lambari rosa com 90. Ainda, o mercado não se restringe a isso e costuma pagar valores aproximados de R$12,00 por kg desse peixe, para ser consumido como petisco.

Manejo do lambari rosa

As fêmeas dessa espécie produzem ovas a cada 20 dias. Diferentemente das outras espécies de peixes, recomenda-se que a criação seja iniciada a partir dessa desova, e não dos alevinos, como é feito com as outras espécies.

Para que seja possível atestar um bom manejo, a fêmea, com tamanho de 10cm a 15cm produza aproximadamente 2000 alevinos por reprodução, número bastante expressivo, mas que garante tranquilidade ao criador.

Criação

Esse peixe pode ser criado em três tipos de tanques: tanque-rede, reservatório escavado no solo ou em tanque elevado. A concentração de peixes depende diretamente do tipo de tanque adotado. Para criação em tanques escavados, recomenda-se criar 50 lambaria por m²; 1000 a 2000 por m³ em tanques-rede, a depender da vazão do rio; e aproximadamente 1500 lambaris por m³ no caso de criação em tanques elevados.

É importante respeitar esses limites para que a criação seja lucrativa e não produza prejuízos financeiros e nem aos peixes, como a falta de oxigênio na água e consequente mortalidade e, também, o surgimento e propagação de doenças.

Sua alimentação pode ser feita com a mesma ração utilizada na criação de tilápias, mas é preciso dar atenção à quantidade ofertada, que nunca deve ser maior do que os peixes conseguem comer e, consequentemente, não deve sobrar no tanque. A partir do comportamento desses peixes é possível avaliar quando parar de oferecer comida e passar para outro viveiro.



Conheça os Cursos a Distância CPT da Área Criação de Peixes:

Técnicas de Processamento de Peixes
Criação de Peixes – Como Implantar uma Piscicultura
Produção de Alevinos

Fonte: Canal Rural  - canalrural.uol.com.br
por Renato Rodrigues

Renato Rodrigues 10-06-2019

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.